Aconteceu nesta semana, mais um encontro do Programa de Adaptação à Reserva Remunerada (PARe) da Polícia Militar de Goiás e a Reforma da Previdência foi um dos temas abordados. Subtenente PM Cláudio, presidente da Assego, é especialista em Regime Próprio de Previdência e esclareceu alguns pontos com os militares do programa.

“Fui procurado para vir trazer uma palavra amiga. Esse momento é de grande importância para todos nós porque sairemos daqui com algo novo, um aprendizado novo”, disse o presidente. Subtenente Cláudio, na oportunidade, ressaltou os pontos positivos e negativos do projeto.

De positivo, a paridade e integralidade é um deles, quando cita ativos e veteranos. Já para as pensionistas, o projeto prevê o retorno a integralidade e a vitaliciedade conjugue,  além da redução da alíquota do fundo de pensão. Como pontos negativos, Subtenente destacou o aumento do tempo de serviço, a transição com pedágio mais 17% sobre o restante 30 anos, criação de militares temporários, faculta aos estados a promoção imediata, abono a permanência e averbações tempo de contribuição (regime contributivo).

Na oportunidade, o presidente reforçou que é necessário a união da categoria para que os objetivos sejam alcançados. “Se hoje nós estamos sendo tratados diferentes, na reforma da previdência, é por causa daqueles deputados federais e senadores militares que estão lá nos defendendo”.