A Associação de Subtenentes e Sargentos do Estado de Goiás (ASSEGO), tem feito o trabalho de capacitar militares para ocupar cargos políticos em Goiás. Cerca de 87 candidatos nessa eleição de 2020, são frutos da Associação.

Em outubro de 2019, foi implantado o Projeto Patronos com o objetivo de instruir e preparar militares para preencher cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador, para que assim à Assego tenha maior apoio para continuar ajudando policias e bombeiros militares a alcançar seus direitos.

No dia 5 de outubro de 2019, iniciou-se o período de capacitação dos candidatos que foi até dias antes das convenções eleitorais, com ensinos sobre legislação eleitoral, cursos de marketing político para as redes sociais, também foram feitos planejamentos de campanha e apresentado os principais erros praticados por candidatos.

O Presidente da Associação, Subtenente Cláudio afirma que o “Projeto Patronos não é partido político”, diz o presidente. Na verdade, o programa tem seus princípios, de buscar pessoas que representam a classe, além de ter honestidade e transparência.

A principal característica para o candidato, segundo o Subtenente Cláudio é que tenha “perfil de liderança que visam a transformação do nosso sistema político moderno, transparente e principalmente com víeis de honestidade”, declarou ele. Ele também acrescenta que o candidato tenha ficha limpa e intenção de trabalhar em prol da sociedade.

Ao mencionar o serviço à sociedade, incondicionalmente se tem a ideia de que o servidor de segurança pública, já possui, isso dentro de si. Por todos os dias estarem nas ruas se doando para salvar vidas e proteger pessoas. Mais do que falar sobre segurança e proteção é testemunhar de algo que se vive.

A palavra ‘político’ tem peso e se tratando de seres humanos que podem promover transformação em áreas que são problemáticas no Brasil, um policial ou bombeiro, sabe o que pode mudar, eles conhecem o âmbito.

Dos mais de 80 postulantes no Estado de Goiás, as patentes vão de Coronel à Soldado. Seja ativos ou inativos. Todos eles têm em comum o propósito de melhorar a segurança pública.

Segundo o Coronel Oliveira da Reserva Remunerada, um dos coordenadores do Projetos Patronos “os militares possuem doutrina rígida baseada na hierarquia e disciplina e ao longo da carreira se tornam líderes na comunidade em que servem”, relatou o Coronel.

“A intenção do Patronos é exatamente despertar nos militares o interesse em se candidatarem aos cargos eletivos municipais, estaduais e federais”, disse o Coronel Oliveira.

Major Tarley, um dos coordenadores do projeto, com experiência em duas eleições, relata que “o projeto atende a necessidade de preparação técnica dos candidatos que tenham liderança e viabilidade eleitoral”, conta o coordenador.

Assim como, atende uma grande demanda social por candidatos que “tenham capacidade e legitimidade, visto que os militares são reserva moral da sociedade.”

De acordo com a matéria publicada pelo O Popular na última quarta-feira (30), antes da entrada do Presidente Jair Messias Bolsonaro ao poder, os dados eram duas vezes menores de participantes militares nas eleições. Em 2020, os números dessa classe de postulantes subiram, podendo ser inspiração do Presidente que é ex-combatente do Exército.